banco de praça

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

- o que foi?
- hoje é sábado. vamos comemorar!
- coração, hoje é terça.
- prova.
- ah, vá se foder! você tá cada dia mais pirado.
- vou comprar uns doces caseiros ali na esquina. você quer?
- não; engorda. vou acender um cigarro enquanto te espero.
- o que foi?
- acho que estou confundindo.
- o quê?
- suas calorias com as dos doces...
- tá me chamando de gordo?
- não, seu bobo. vai logo senão eu vou começar a te fazer cócegas. e amarra esse tênis imundo.

***

- aquela hora... você tava se declarando pra mim?
- não; te chamando de gordo.
- jura?
- não.
- então posso te beijar?
- você cortou o clima. me dá um de abóbora, aquele maior ali ó.

3 comentários:

Psicologia disse...

Céus... num sei se é a intensão, mas já é o 2 texto seu que me faz rir hoje...
Que gracinha a declaração das calorias...que gracinha!

Tonho disse...

Tá bem, minha paranóia(?) não apitou nesse.
Não sei se foi sua intenção mas tem uma crítica bem suculenta a essas coisas de indústria cultural, ditadura da beleza e coisas assim, gostei bastante.

Dayane Abreu disse...

Carol, me conta onde é que eu acho esses doces caseiros! *-*

E com essa cena aí, dava pra gravar um filminho romantiquinho.

Beijo